6 coisas que o open banking vai mudar no seu dia a dia

[ad_1]

A primeira fase do Open Banking no Brasil começa a ser implementada no dia 1º de fevereiro. Apontado como uma revolução no sistema financeiro brasileiro e regulamentado pelo  Banco Central, o novo mecanismo funciona como um “banco aberto”, uma espécie de rede de dados, que, mediante autorização do usuário, poderá compartilhar informações e serviços entre instituições financeiras.

É provável que você também goste:

Como simular e contratar o seguro de vida do Nubank

C6 Bank lança conta Global com saldo em Euro

6 coisas que o open banking vai mudar no seu dia a dia

Segundo o BC, o Open Banking trará inúmeros benefícios às pessoas. Amplitude nos serviços oferecidos pelas instituições bancárias, melhoria na experiência do usuário, taxas mais competitivas e a possibilidade de escolher os produtos de um banco, sem ter que abrir contas indesejadas, são só algumas mudanças no dia a dia dos  mais de 175 milhões de brasileiros que possuem relacionamento com instituições bancárias.

Há, no entanto, muitas dúvidas em torno do assunto. Por isso, Thiago Alvarez, fundador e CEO do Guiabolso, listou 6 itens sobre essa novidade para ajudar no entendimento das pessoas. “O Guiabolso nasceu do Open Banking e trabalha há 8 anos para isso. Nós queremos garantir uma experiência incrível para o cliente. Isso faz parte da nossa essência”, afirma o executivo, ressaltando o pioneirismo do aplicativo nesse tema.

1- Mais facilidade no atendimento ao cliente que seja correntista de outros bancos

Hoje os bancos não ‘enxergam’ o relacionamento do cliente com outras instituições financeiras. Com o Open Banking, o cliente de outra instituição poderá compartilhar diretamente seus dados de cadastro, extratos e outras informações diretamente com outros bancos sem ter a necessidade de abrir uma conta, visitar a agência, ter histórico com a instituição. Tudo poderá ser feito online em poucos minutos pelo celular.

2- Mais oferta de serviços condizente com perfil

O Open Banking trará mais inteligência na oferta de produtos, de acordo com Thiago Alvarez.  Ele atuará utilizando algoritmos e por isso, bancos e fintechs conseguirão entender melhor o que se aproxima das necessidades do consumidor. Isso permitirá uma oferta de serviços, pois todos poderão oferecê-los em diversas plataformas simultaneamente.

3- O histórico é seu. Você é o dono dos seus dados

O Open Banking não possui um modelo específico para ser seguido, cada país desenvolve o seu conforme sua necessidade. Mas Alvarez explica que uma característica comum   em todos os países que implementaram este mecanismo é a liberdade. “É muito comum ver brasileiros com anos de relacionamento com seus bancos. E quanto maior o tempo de relacionamento com a instituição mais informações ela detém. Ao iniciar uma nova história com outro banco, parte deste histórico se perde e o ‘pulo do gato’ é esse, pois o Open Banking liberta o cliente deste sistema sem que ele perca seu histórico”, afirma.

4- Mais chances de conseguir um empréstimo ou financiamento com juros e taxas acessíveis

Alvarez resume essa mudança citando um exemplo muito comum no dia a dia. “Uma vantagem que certamente será sentida rapidamente é que com a implementação do Open Banking ao solicitar empréstimo ou financiamento em uma instituição, o histórico do cliente estará disponível e, assim, ele poderá barganhar melhores taxas ou limites. A oferta de produtosDefinir imagem destacada também fará que todos tentem abarcar o cliente oferecendo mais parcelas, menos juros, descontos em antecipação, entre outras coisas”, diz.

5- Mais segurança em suas escolhas e transações

O Banco Central está à frente da regulação do Open Banking no Brasil. Qualquer instituição participante precisará seguir à risca esta regulação. Em linhas gerais, as empresas participantes terão normas e procedimentos para cumprirem e, caso desrespeitem algum ponto da regulação, o BC poderá aplicar multas, excluir a empresa do sistema e, nos casos mais extremos, decretar a falência ou liquidação da instituição. “Com base nisso, acreditamos que o serviço é seguro, pois quem estiver ali certamente está cumprindo uma série de normas que prezam segurança e o bem-estar de todos”, finaliza o fundador e CEO do Guiabolso.

6- Fases e prazos de implementação

A primeira das quatro etapas do processo de implementação do Open Banking tem início em 1º de fevereiro. Já o prazo para a última fase – entrada em vigor do compartilhamento de dados sobre produtos e serviços e dados de transações – está previsto para 15 de dezembro deste ano.

Sobre o Guiabolso:

O Guiabolso é uma plataforma que facilita e melhora a gestão financeira das pessoas organizando seus orçamentos, oferecendo bons produtos financeiros e permitindo que elas façam transferências instantâneas e gratuitas, a qualquer dia e hora. O app organiza as diversas contas bancárias do usuário automaticamente em apenas dois minutos, sem a pessoa ter de anotar os seus gastos individualmente. O app também faz a curadoria dos melhores produtos financeiros de acordo com o perfil detalhado do usuário.

A missão do Guiabolso é transformar o sistema financeiro ajudando as pessoas a melhorarem suas vidas. O aplicativo, que surgiu em 2014 e já recebeu US$ 80 milhões em cinco rodadas de investimentos, conta com mais de 6 milhões de usuários. Além disso, possui o Guiabolso Connect, serviço pioneiro de inteligência de dados que conecta pessoas e empresas com o intuito de viabilizar negócios cada vez mais justos e personalizados, gerando mais assertividade, respostas em tempo real e redução de custos para as empresas que utilizam essa solução. Saiba mais em www.guiabolso.com.br.

Gostou da nossa matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais através do FacebookTwitter Instagram. Assim você fica por dentro de tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo das fintechs.

Imagem: GaudiLab/shutterstock.com



[ad_2]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *