18 estados pedem a volta urgente do benefício

[ad_1]

Na última sexta-feira, secretários de Fazenda de 18 estados brasileiros enviaram ao Congresso Nacional uma carta pedindo a prorrogação do Auxílio Emergencial. O benefício foi pago a milhões de brasileiros até dezembro do ano passado. A medida é apenas uma das consideradas urgentes para conter a pandemia do novo coronavírus.

Além da volta do Auxílio Emergencial, a carta inclui um pedido de prorrogação do estado de calamidade pública e do Orçamento de Guerra por mais seis meses. Com isso, espera-se a permissão do aumento dos gastos públicos. O estado de calamidade pública chegou ao fim em 31 de dezembro.

É provável que você também goste:

Projeto define Auxílio Emergencial para R$ 1200

Ministro garante reajuste no valor do Bolsa Família

Como receber o Bolsa Família pelo Caixa Tem?

Estados pedem volta do Auxílio Emergencial. Saiba o que consta na carta

Entretanto, o governo federal já afirmou que não planeja prorrogar o Auxílio Emergencial, ou o estado de calamidade pública, tendo em vista a situação das contas públicas. Em 2020, os gastos realizados com a pandemia somaram cerca de R$ 600 bilhões.

Na carta, os secretárias lamentam que, ao contrário do esperado, a pandemia não chegou ao fim. Além disso, argumentam que inda não está definido o calendário nacional de vacinação do país e os dados de evolução de mortes e da taxa de contágio estão em níveis alarmantes.

“Com a volta da lotação de leitos hospitalares e dos recordes de casos, esse início de ano está sendo similar às piores semanas de julho, agosto e setembro, segundo os especialistas têm ressaltado e conforme é possível acompanhar pelas diversas mídias”, diz a carta.

Enfim, quer ficar por dentro de tudo o que acontece no mundo das finanças?

Então é só seguir o Seu Crédito Digital no YouTube, Facebook, TwitterInstagram e Twitch. Assim você vai acompanhar tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito, empréstimos etc. Siga a gente para saber mais!

Imagem: Miguel Lagoa / Shutterstock.com



[ad_2]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *